Alagoas é o estado do Nordeste com mais crianças e jovens em situação de pobreza, diz pesquisa - Sertão News 24 Horas

Sertão News 24 Horas

Portal de noticias de Mata Grande-AL

Post Top Ad

PUBLICIDADE:












Alagoas é o estado do Nordeste com mais crianças e jovens em situação de pobreza, diz pesquisa



 Dados revelaram também que o estado ocupa o terceiro lugar no ranking de pobreza extrema na região.

Por AL TV
Foto: Gazetaweb/Arquivo


Uma pesquisa da Fundação Abrinq, divulgada na terça-feira (25), revelou que Alagoas é o estado do Nordeste com mais crianças e jovens vivendo em situação de pobreza. Os dados também apresentaram que o estado ocupa o terceiro lugar no ranking de pobreza extrema na região.

Segundo as estatísticas, o estado está bem acima da média nacional, que é de 40%. Em Alagoas, 66% das crianças e adolescentes de 0 a 14 anos de idade vivem em condições precárias.

Os dados alarmantes comprovam que o futuro é incerto para muitas crianças e adolescentes no estado. Mas, alguns se apegam à esperança de viver dias melhores, como a estudante Kailane Silva, 13. "Quero ser médica, porque é uma profissão muito boa", diz.

Ela mora com a mãe e mais cinco parentes, na Vila Emater. Todos dependem de um salário mínimo para sobreviver. Sendo assim, para que uma pessoa seja considerada pobre e seja inclusa no índice, a renda de cada membro da família deve ser de até meio salário mínimo.

Além disso, os dados mostram que os cinco estados com o maior índice de pobreza no país são do Nordeste. Alagoas ocupa a terceira colocação, atrás do Maranhão e do Ceará.

Para os especialistas, isso só vai mudar quando existir prioridade nas políticas públicas direcionadas às crianças e os adolescentes.

"O acesso a políticas públicas para crianças e adolescentes é muito limitado. Então, você não tem escolas que contemplem um número de crianças a serem matriculadas, não tem creche. O acesso á saúde e habitação também é limitado. É preciso ter uma política de investimento, e o investimento tem que ser feito hoje", afirma o presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, Rickelane Gouveia.

O promotor do núcleo da infância, Luiz Medeiros, diz que o desemprego dos pais e a falta de escolaridade aumentam a lista de direitos violados das crianças e dos adolescentes.

"A gente vê que muitas das políticas públicas que estão ventidas no estatuto da Criança e do Adolescente estão deixando a desejar. Além disso, tem o desemprego para os pais e mães dessas crianças, que acarreta no não desenvolvimento adequado", reforça o promotor.

No total, mais de 17 milhões de crianças e jovens sofrem com a pobreza no país. É o caso da família da Liliane Santos, que vive com os filhos de 3 e 5 anos em uma casa com dois cômodos, junto ao marido. A renda da casa é de um salário mínimo e R$ 72 do Bolsa Família, que ela investe na educação dos filhos, pensando no futuro.

"A criança sem estudo não é nada. Primeiramente vem os estudos deles para depois eles trabalhar. Até quando tiver de maior eles vão ter que terminar os estudos", diz Liliane.





Fonte ; AL TV