Veja como os deputados de Alagoas votaram na sessão da rejeição da denúncia contra Temer - Sertão News 24 Horas

Sertão News 24 Horas

Portal de noticias de Mata Grande-AL

Post Top Ad

PUBLICIDADE:












Veja como os deputados de Alagoas votaram na sessão da rejeição da denúncia contra Temer





Por G1 AL
 
Quatro alagoanos votaram pelo arquivamento do processo. Outros quatro pelo prosseguimento da investigação e um faltou a votação.
 
                                                              Plenário da Câmara dos Deputados

 A Câmara aprovou na noite desta quarta-feira (2) o relatório da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), de autoria do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que recomendava a rejeição da denúncia da Procuradoria Geral da República por crime de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer (PMDB).

Veja abaixo como votou cada deputado alagoano:

Arthur Lira (PP): SIM

Cícero Almeida (PMDB): SIM

Givaldo Carimbão (PHS): NÃO

JHC (PSB): NÃO

Marx Beltrão (PMDB): SIM

Maurício Quintella Lessa (PR): SIM

Paulão (PT): NÃO

Pedro Vilela (PSDB): AUSENTE

Ronaldo Lessa (PDT): NÃO

No total, votaram 492 dos 513 deputados – 263 a favor do relatório e 227 contra. Houve duas abstenções e 19 ausências – com base no regimento da Câmara, o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) não votou.

Com a decisão, os deputados livraram Temer de responder no Supremo Tribunal Federal (STF) a processo que, se instalado, provocaria o afastamento do presidente por até 180 dias. Agora, Temer responderá no STF somente após a conclusão do mandato, em 31 de dezembro de 2018. O procurador-geral Rodrigo Janot, porém, deverá apresentar outra denúncia contra Temer, por organização criminosa e obstrução de justiça.

  A acusação de Janot se baseia nas investigações abertas a partir das delações de executivos da empresa JBS no âmbito da Operação Lava Jato. Em março deste ano, o ex-assessor do presidente e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) foi filmado, saindo de um restaurante em São Paulo, com uma mala contendo R$ 500 mil. Segundo a PGR, o dinheiro era parte de propina e destinava-se a Temer. A defesa do presidente nega.