Polícia faz operação para prender suspeitos na morte de Neguinho Boiadeiro - Sertão News 24 Horas

Sertão News 24 Horas

Portal de noticias de Mata Grande-AL

Post Top Ad

PUBLICIDADE:












Polícia faz operação para prender suspeitos na morte de Neguinho Boiadeiro



Polícia cumpre dez mandados de prisão e busca e apreensão em Maceió, Batalha e Major Izidoro.



A polícia de Alagoas realiza uma operação desde a madrugada desta sexta-feira (23) contra suspeitos de envolvimento na morte do vereador Neguinho Boiadeiro (PSD), que ocorreu no município de Batalha. Pelo menos uma pessoa foi presa.

Segundo a Polícia Civil, estão sendo cumpridos 10 mandados de prisão e de busca e apreensão em Maceió, Batalha e Major Izidoro.

Todos os mandados têm relação com o envolvimento de suspeitos na morte do vereador, cujo crime ocorreu em novembro do ano passado.

Uma coletiva de imprensa acontecerá às 11 horas, na Secretaria de Segurança Púbica (SSP-AL), para dar detalhes dos trabalhos.



Morte de Neguinho Boiadeiro



O vereador de Batalha, Adelmo Rodrigues de Melo, o "Neguinho Boiadeiro" (PSD), foi morto a tiros no dia 9 de novembro, quando saia da Câmara de Municipal da cidade. Boiadeiro chegou a ser socorrido para uma unidade de saúde daquela cidade, mas não resistiu aos ferimentos.

Acredita-se que a morte de Boiadeiro teria sido planejada por um outro grupo com interesse em se beneficiar politicamente do clima de guerra entre as duas famílias, de acordo com a terceira linha de investigação.

No mesmo dia em que Neguinho foi baleado, o filho do ex-prefeito de Batalha, José Emílio Dantas, foi baleado. De acordo com o delegado Rômulo Monteiro, depois que o filho do vereador soube da morte do pai, saiu às ruas em busca de um possível suspeito. Na ocasião, baleou Dantas no ombro.

Baixinho Boiadeiro gravou um vídeo e disse que seu pai foi morto por adversários políticos porque estava levantando informações sobre um esquema fraudulento milionário envolvendo funcionários fantasmas na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE).

De acordo com Baixinho o esquema envolvia 17 pessoas que sem saber ‘emprestavam’ o nome estando vinculadas a folha de pagamento salarial da ALE e da Prefeitura de Batalha, onde recebiam entre R$ 12 mil e R$ 17 mil por mês.




Fonte: G1 AL