Bebê Matagrandense cardiopata com Down e leucemia vence covid após 10 dias intubado em Maceió - Sertão News 24 Horas

Sertão News 24 Horas

O seu portal de notícias do sertão alagoano

Post Top Ad

PUBLICIDADE:












Bebê Matagrandense cardiopata com Down e leucemia vence covid após 10 dias intubado em Maceió


A família de João Miguel é do Povoado Santa Cruz do Deserto, zona rural de Mata Grande, no sertão alagoano.


A servidora Eniclécia da Silva, 23, não imaginava que pouco depois de dar à luz ao segundo filho, em janeiro, teria duas notícias tristes com o primogênito, o pequeno João Miguel, de um ano e sete meses. Vinte e oito dias após o parto, ela descobriu que João estava com leucemia. Passado o baque, ele iniciou a quimioterapia. Mas na primeira sessão, ele —que tem síndrome de Down e é cardiopata— pegou a covid-19, que se agravou e o levou à UTI (unidade de terapia intensiva). Após dez dias de intubação, ele surpreendeu a equipe médica e se curou.

A família de João Miguel é de Mata Grande, no sertão alagoano. Por falta de tratamento para câncer na cidade, ele foi se tratar em Maceió. Eniclécia conta que a notícia da leucemia foi um primeiro baque, mas que João reagiu bem ao tratamento. "No momento, me senti destruída por dentro. João Miguel sempre foi a minha fortaleza. Ainda estava em um pós-parto e tive que deixar o bebê com a minha mãe para vir lutar pela saúde do João. Mas ele sempre foi forte: as reações da quimioterapia nunca o abalaram. Ele passava por toda a luta fazendo biquinho, dançando e nos deixando felizes", diz.

A mãe lembra bem do começo de João com covid-19: os sintomas vieram logo após o fim do primeiro ciclo da quimioterapia. "João Miguel fez a primeira sessão e, dois dias depois, teve alta do hospital. Logo após sair, teve febre e diarreia. Voltamos ao hospital, e ele testou positivo para covid", conta a mãe. Nos três primeiros dias no hospital, João fez apenas uso de oxigênio. "Ele estava aparentemente muito bem, só que a saturação estava caindo muito. Foi aí que a doutora avaliou e nos chamou para falar que ele tinha que ser intubado", lembra. Do hospital privado em que estava, ele foi transferido para a UTI do Hospital da Mulher. "A médica nunca nos escondeu que o caso dele era  grave por ele ter  síndrome de Down e leucemia. Essa noticia é algo que maltrata muito, mas minhas esperanças nunca acabaram, não cheguei a duvidar que ia vencer”, explica.


Intubação e gravidade


 João passou 10 dias intubado na UTI. A maior parte desse período, a mãe teve de ficar longe do filho. "Ainda cheguei a visitar ele por dois dias, só que eu também estava com o coronavírus e tive que ficar isolada até me recuperar. Mas esse foi o mesmo tempo que ele saiu da intubacão. Quando deixou a UTI, ainda fiquei com ele, no oxigênio, mais sete dias no hospital até ele ter alta", diz. Na última segunda-feira (5), João deixou o hospital curado da covid-19, mas para chegar a esse momento, o bebê passou por momentos difíceis. "Ele chegou muito debilitado, grave, sedado, intubado e com uma anemia muito importante", conta a pediatra Maria Célia dos Santos, que o recebeu na UTI do do Hospital da Mulher. "Solicitamos de imediato exames e constatamos que ele estava precisando tomar sangue e plaquetas; discutimos tudo com a oncopediatria. Era um paciente bastante especial, com comorbidades, cardiopata, síndrome de Down e, ainda por cima, leucemia. A gente ficou muito temeroso com o quadro dele, mas esperançosos que iríamos conseguir tratá-lo", completa. No começo, lembra a pediatra, o caso de João Miguel evoluiu e ficou ainda mais grave. "Ele teve complicações, com um distúrbio hidroeletrolítico bastante importante —o que é comum nos cânceres. Nós corrigimos isso e iniciamos um concentrado de hemácias para o sangue, ajustando a anemia.

Após a fase mais grave, ele foi melhorando ao fim da primeira semana intubado, e a equipe decidiu começar a baixar a sedação para ver a resposta dele. "Para nossa surpresa, ele evoluiu com uma resposta muito boa. Entramos com um protocolo de extubação, e ele evoluiu muito bem: de primeira já foi colaborando", diz, citando que a vitória de João causou euforia à equipe. "Em nenhum momento a gente pensou em desistir dele, mas foi uma grande resposta que João nos deu. Na pediatria é assim: a gente acaba se apaixonando mais todo dia porque as crianças surpreendem com respostas totalmente inesperadas, como ter um paciente gravíssimo e ele se curar", aponta. A partir de agora, conta a m

A partir de agora, conta a mãe, o bebê voltará para o sertão alagoano e, em breve, estará novamente na capital para realizar a segunda sessão de quimioterapia. "Estão previstos três ciclos de quimioterapia na veia, que duram em torno de sete dias cada um. Mas agora temos de esperar o corpo criar as defesas novamente para iniciar a próxima", finaliza a mãe de João.

 

Por UOL